Brasileiro trabalha em média 150 dias para pagar impostos, diz estudo

Para pagar seus impostos, o brasileiro médio precisa trabalhar 149 dias por ano, conforme o IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação). O estudo calculou que a carga tributária média ocupa 40,71% do rendimento do trabalhador brasileiro. O instituto levou em consideração as tributações federal, estadual e municipal sobre a renda, o patrimônio e o consumo. Eis a íntegra do estudo (PDF – 365 kB). Brasileiro trabalha em média 150 dias para pagar impostos, diz estudo O IBPT comparou o impacto na renda em 3 faixas salariais:
  • a 1ª de quem recebe até R$ 3.000;
  • a 2ª, de R$ 3.000 a R$ 10.000; e
  • a 3ª acima de R$ 10.000.
A faixa que mais trabalha para pagar os tributos é a chamada classe média (de R$ 3.000 a R$ 10.000), com 155 dias por ano. Já a com menos tempo é a de até R$ 3.000: são necessários 141 dias por ano para pagar seus impostos. Quem recebe acima de R$ 10.000 precisa de 148 dias. O estudo também disponibilizou um comparativo dos dias trabalhados para pagar a tributação por média de cada década:
  • 1970 76 dias;
  • 1980 77 dias;
  • 1990 102 dias;
  • 2000 138 dias;
  • 2010 141 dias;
  • 2020 151 dias.
Pior retorno do imposto para o IDH O mesmo instituto também divulgou um estudo mostrando que o Brasil tem o pior retorno do imposto para o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). A pesquisa considerou os 30 países com maiores cargas tributárias do mundo. Para fazer o cálculo, o instituto considera o IDH de cada país, medido de 0 a 1. Quanto mais próximo do 1, melhor o cenário de educação, saúde e expectativa de vida de uma nação. Além do índice, a pesquisa calcula a participação da carga tributária no PIB (Produto Interno Bruto) do país. A partir desses 2 fatores, estabelece o Índice de Retorno de Bem Estar à Sociedade, ou IRBES. No caso do Brasil, a carga tributária corresponde a 32,39% do PIB. Trata-se da 24ª maior tributação dentre os países considerados pelo levantamento. O IDH, por sua vez, fica em 0,760, o mais baixo do grupo. Todos os números considerados dizem respeito ao ano de 2022.   Fonte: Poder360